Histórico

 

Os integrantes do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Alagoas (CBMAL) sempre foram estereotipados como inertes nas reivindicações da categoria. A insatisfação era presente em nossa realidade, mas, não agíamos efetivamente. Por muito tempo constatamos os policiais militares encabeçando as lutas de classe em nosso estado. Tal fato nos reservava, apenas a ficar no cenário das reivindicações como meros coadjuvantes. Apesar da indignação, era fácil compreender esta apatia nas manifestações de classe: não havia representantes com o compromisso de brigar por nossos anseios. Entretanto, cansados de presenciar injustiças e desvalorização profissional, um grupo de bombeiros militares começou a instigar os demais a cobrar seus direitos.

Saturados de presenciar várias medidas que não beneficiavam a coletividade, uma disputa travada na Assembleia Legislativa demonstrou que, mesmo diante de dificuldades quase intransponíveis, um grupo de bombeiros militares conseguiu fazer valer seu posicionamento frente às desigualdades praticadas.

Depois de retirada as mordaças do medo, o amadurecimento no engajamento coletivo veio culminar no Movimento Unificado dos servidores estaduais no ano de 2011.  Ao fazer  parte desse movimento os integrantes do Corpo de Bombeiros acabaram de vez com o estereótipo da inércia. Ao demonstrar força de mobilização, os soldados do fogo encabeçaram a linha de frente da manifestação para pressionar o governo a atender as reivindicações. Durante todo o processo, os militares do CBMAL se destacaram nas ações do movimento dos servidores, levando grande contingente para as assembleias deliberativas, em passeatas e até suspendendo os serviços da seção de bombeiros no aeroporto e nas unidades operacionais.

Encerrado todo o processo, o resultado não foi o esperado pela maioria. Uma negociata entre lideranças da categoria militar e representantes do governo abafou o movimento que ganhava força. O consenso foi de que os bombeiros engajados nas manifestações foram utilizados como massa de manobra. Fato consolidado por não haver um representante bombeiro militar entre as lideranças do movimento. Não se sentindo representada, a maioria da tropa decidiu que deveria dar voz ativa a um representante oriundo de suas fileiras.

Eis que surge a ABMAL (ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS MILITARES DO ESTADO DE ALAGOAS). Tendo o SGT BM Marcos Ramalho como Presidente aclamado e o como seu vice o CEL BM Josivaldo Feliciano que, inicialmente, viram com restrição criar mais uma associação. Mas que depois de analisar o projeto inovador e o anseio da tropa, deixaram suas considerações pessoais e abraçaram a causa com empenho firmado.

Esta entidade foi recém-criada para fazer valer a voz de cada militar que se sente cerceado ao tentar manifestar sua opinião. Por ser uma instituição de caráter associativo, a ABMAL também quebra mais um paradigma entre oficiais e praças ao abranger no seu quadro de sócios desde o soldado mais moderno até o coronel mais antigo da corporação com os mesmos benefícios oferecidos. Acabando com essa divisão, em vários aspectos, a possibilidade de crescimento será maior se a luta for a mesma para todos. A filosofia da associação é de atuar como agente fiscalizador, utilizando o diálogo como ferramenta inicial, mas sem deixar de fazer uso dos meios legais de reivindicação. Enfim, o passado já comprovou que enquanto predominou a falta de união aliada à desorganização, nossa realidade profissional marcou passo na trajetória da evolução. O processo de engajamento coletivo é lento, mas evolui dentro da nossa tropa. Seja você mais um a engrossar nossas fileiras nas futuras lutas de classe. Faça parte desse novo ideal de representatividade plena efetuando sua adesão, seja mais um associado a consolidar seus direitos e sua dignidade!!!